domingo, 13 de setembro de 2015

Mopar Nationals 2015.


Boa tarde amigos, segue mais um post atrasado para vocês, depois de 3 semanas após o evento, depois de ver as excelentes matérias sobre o encontro com fotografias espetaculares, tomei coragem e resolvi expor todo o meu amadorismo hahahaha.

Em 2004 fomos até o I Mopar Nationals Brasil, na cidade de Campo Limpo Paulista - SP, nossa família foi toda até um hotel fazenda e foi um dos melhores programas que fizemos quando ainda era completa, desde então tiramos este evento como um programa familiar, onde todos planejam seus cronogramas para poder sair na quinta-feira e voltar apenas segunda-feira, este ano não foi diferente.

Conforme combinado, iríamos com o recém restaurado Dodge Super Bee 1970 e isto foi o mais difícil, pois o carro ainda estava sendo montado e de repente já era a semana do evento. Era quarta-feira dia 26 de agosto, trabalhei até as 19 horas e fui para Lapa, chegando lá me deparei com aquela obra de arte, enfaixado, com as rodas laranjas e o meu amigo Finho (responsável por toda a montagem, interior, mecânica e tudo mais do carro) exausto, pois tinha colocado e tirado a transmissão automática umas 3 vezes, a que era zero quilômetro e que estava funcionando perfeitamente no Coronet não deu nem sinal quando foi instalada no BEE e assim foi substituída pela antiga, 2 anos parada, sem reforma e que veio com o carro lá dos EUA, ficou perfeita, engatando todas as marchas, apenas com poucos vazamentos. Agora já era hora de retornar aos acabamentos do carro, 3 horas da manhã e ainda estávamos trabalhando quando se iniciou uma tempestade, apagando a luz do barracão e nos impossibilitando de concluir alguns detalhes.

                                  



Quinta-feira, tínhamos que fazer a geometria do carro mas devido a tempestade a cidade estava sem luz, prorrogamos a saída para a tarde, durante a geometria o rapaz responsável pelo serviço conseguiu espanar a rosca que regula a altura da suspensão, pronto, mais serviço, retiramos a do Coronet e o carro enfim estava pronto, resolvemos sangrar o freio e ele simplesmente ficou zero, zero freio no caso, tivemos agora outro problema, prorrogando a saída para sexta-feira, conseguimos solucionar o problema no servo as 3 horas da manhã de sexta, acompanhados de uma garrafa de Jack Daniels








Sexta-feira, 8 horas da manhã, todos a postos, malas carregadas e partiu Águas de Lindóia.



Primeiro 50 quilômetros de viagem, o carro estava perfeito, acompanhado do magnífico Charger LS 1971 do nosso amigo Gabriel, a viagem estava maravilhosa, em uma estrada propícia para Dodges, vazia, com asfalto liso e com um visual sensacional.



















A viagem prosseguiu perfeita até Águas de Lindóia, chegamos na sexta-feira as 17 horas e com a galera nos aguardando, pois todos achavam que não iríamos conseguir chegar cedo, visto o tamanho do nosso porrete nos dias anteriores.


Até nos organizarmos já era noite lá na praça, montamos a nossa barraca, tiramos as cadeiras e mesmo desgastados da viagem tinhamos de comemorar pois o carro não apresentou avaria alguma, parecia que tinha ficado meses sendo ajustado e assim ficamos até a madrugada, agora com a companhia do meu tio Ronald.

Sábado clareou e cedo agilizamos churrasco, drinks e música.

Depois de todo agito do almoço e de conversar com muita gente resolvi passear pelo encontro para fotografar os carros, de cara já encontrei o João, que além de leitor do blog virou um amigo e nos apresentou o Matheus, outra figura, obviamente que o assunto "Mc Mayara" veio a tona e tiveram que assistir aquele espetáculo, dá uma olhada na expressão facial alegre da piazada.


Tive que tirar um tempo para apreciar o RT 1972 do Lincoln, que deste quando nos conhecemos ele estava em processo de restauração e ficou perfeito, assim como todos os carros dele.





E é claro, já estava ansioso para ver o meu antigo carro, o Rt 1972 que atualmente está com o Reinaldo (reiv8.blogspot.com), fiquei muito emocionado, algumas das peças do carro eu limpava e ficava imaginando como seria, aquele volante que foi utilizado no meu Dart 73 fazendo terrorismo pela cidade agora está no seu lugar certo, ví o carro que sempre eu e meu pai sonhamos em montar (só ia demorar uns 45 anos) pronto, da maneira correta.


Tirei umas fotos aleatórias dos carros da galera, confiram:


























































Enfim chegou a noite e a premiação dos carros escolhidos pela galera do Chrysler Clube do Brasil, o Super BEE ganhou o prêmio de "restauração do ano" e o LS 71 ganhou " destaque único dono", foi bem legal, segue abaixo as fotos dos carros premiados:





















  









Sábado como podem imaginar madrugamos na praça, com muita risada, churrasco e cerveja, na companhia de amigos, coisa fina e como voltaríamos somente segunda, pudemos exagerar. No domingo a calmaria prevaleceu, dia de se despedir do pessoal e descansar pois a segunda seria puxada, conseguimos tirar muitas fotos legais e conversar com mais gente que não tivemos tempo.




























Segunda-feira, dia de vir embora e pegar mais 700 quilômetros de estrada.

















Chegamos em casa, tudo certo, conforme planejamos, quando as coisas devem seguir uma ordem não adianta forçar, tudo acontece na hora certa, um programa maravilhoso, não somente pelo encontro mas por estar com amigos e familiares curtindo um momento, o que é difícil nos dias de hoje, todo mundo fica disperso, sem tempo de estar junto, ao contrário do que foi este final de semana, fiz uma compilação de vídeos para tentar passar a vocês o que foi esta viagem, assistam:


É isto pessoal, agora é fazer uma força danada para ir até o evento do Mopar Clube, que será em Jundiaí neste próximo final de semana, estou ansioso para que dê tudo certo pois fazer esta conexão, conhecer pessoalmente amigos do face, não tem preço.


Gostaria de agradecer a toda galera do Chrysler Clube, galera do Mopar Forever de Santos - SP, galera de Minas (Deni), pessoal sempre presente e agitado de União da Vitória - PR, aos amigos que revi e fiz lá e ao Lincoln, que sempre recebe a gente de braços abertos.

Obrigado a todos pelas visitas e até a próxima.
Grande abraço, Otávio Bussmann.